Add to Collection
About

About

NOVO CENTRO ADMINISTRATIVO DO MARANHÃO 2013 | SÃO LUIS, MARANHÃO, BRASIL ----- ★ MENÇÃO HONROSA EM CONCURSO NACIONAL BRASIL
Published:
COMPLEXIDADE ESTIMULANTE 
Nos deparamos com um complexo cenário que apresenta múltiplas condições negativas e estas, entendidas como oportunidades, podem ser definidas como definições de partido para a nova proposta gerada.O entorno é rodeado por amplas avenidas expressas que fazem parte de um tecido urbano rarefeito. As edificações existentes estão entendidas como instituições autônomas e dispersas. A vegetação nativa da área foi devastada, gerando um árido espaço "terrain vague" ocupado por estacionamentos que se dispõem sem ordem aparente. Definitivamente, trata-se de um lugar em busca de identidade. Dado o caráter do problema, fica evidente que a resposta deve ser estratégica. Por isso, trata-se de uma proposta que tenta evidenciar as relações, pela capacidade de gerar transversalidades e cruzamentos, combinações e transferências com os próprios processos do amplo programa, da grande escala e do singular entorno. 

TRÊS ÁREAS DE OPORTUNIDADE: 
1. A relação com o entorno: 
A oportunidade do sintético e do cinético

Seria artificial demais costurar relações com o entorno, ou mesmo com a rua, da mesma maneira que se faz nos centros consolidados. Aqui tudo é disperso, distante, é um lugar de deslocamentos rápidos e de indefinição. Aqui, não se busca a referência urbana; ela é criada. Neste contexto urbano incerto propomos sintetizar em um conjunto arquitetônico, as necessidades de programa. Atualmente, a sua linguagem formal - complexa e articulada, não consegue refletir o caráter das instituições que abriga. Mais que exibir a individualidade dos seus componentes - propomos uma entidade plena e contundente, sintética, que impulsa sinergias condensadas em um único artefato visualmente simples. A aproximação revela uma realidade mais complexa e detalhada, as fachadas revelam-se como planos texturizados, contínuos; onde as ausências de matéria marcam os acessos. A entidade é percebida como um objeto cinético, que muda sua aparência conforme variam as distâncias e a velocidade das avenidas circundantes. 

2. A intenção reativadora: 
A oportunidade no existente

Os prédios existentes são percebidos como estruturas pesadas e opacas, com grandes panos envidraçados e demasiada dependência do ar condicionado. Surgiram de uma série de estratégias importadas de outras realidades que não comportam o clima local; tropical, quente e úmido. É preciso incorporar soluções de condicionamento passivo muito mais pertinentes para a região. Se estabelecem operações que permitem gerar novas condições de uso dos prédios existentes; perfurar, vazar, desvelar, re-usar. Estas operações definem superfícies, espaços livres, onde se aproveita a área disponível, reutilizando os espaços existentes quase em totalidade. A nova volumetria, encontra a melhor posição no espaço vacante, em uma combinação engenhosa e dialogada com as edificações reativadas. 

3. O espaço público induzido: 
A oportunidade no vazio intenso

O projeto propõe um “espaço relacional” de escala urbana com usos múltiplos e simultâneos, de caráter interior-exterior, aberto a novas e futuras configurações, intenso e diverso, uma verdadeira rua interna. Um cenário percebido como manifestação múltipla e heterogênea do espaço coletivo. Torna-se passeio, cruzamento, praça, local de encontro e de exposições, é o espaço que integra as atividades que geram os acessos dos principais programas. Uma infiltração de espaço coletivo. 

----- 
MAPA
Autores:
Luciano Andrades, Matías Carballal, Rochelle Castro, Andrés Gobba, Mauricio López, Silvio Machado. 
Equipe de projeto: Guillermo Acosta, Alexis Arbelo, Pablo Courreges, Pamela Davyt, Emiliano Lago, Felipe Lessa, Aldo Lanzi, Jaqueline Lessa, Isabella Madureira, Diego Morera, Camilla Pereira, Mauricio Wood. 
Renders: MAAMMEDIA + MASA
111 1953
RJI
87 2144
238 5028
BIA
42 1143
CME
76 4570