Add to Collection
About

About

“Kippu” seu Kip up, presente corporativo para personalizar gadgets, as peças são produzidas artesanalmente com elementos naturais, o resultado fi… Read More
“Kippu” seu Kip up, presente corporativo para personalizar gadgets, as peças são produzidas artesanalmente com elementos naturais, o resultado final são acessórios que agregam beleza e personalidade para serem usados com câmeras digitais, celulares, tablets, notebooks, e outros. Read Less
Published:
Elaboramos e criamos soluções promocionais para ações de relacionamento e marketing estratégico, oferecendo brindes e presentes corporativos, uma linha de produtos criativos, e design inovador, para diferenciar as campanhas e as ações de empresas e marcas.
Aqui apresentamos “Kippu” seu Kip up, presente corporativo para personalizar gadgets, as peças são produzidas artesanalmente com elementos naturais, o resultado final são acessórios que agregam beleza e personalidade para serem usados com câmeras digitais, celulares, tablets, notebooks, e outros.
Contando um pouco da hístória, para melhor entender o design apresentado pelo produto, temos Quipo (do quíchua cusquenho Quipu ou Khipu: “nó”) era um instrumento utilizado para comunicação, mas também como registro contábil, entre os incas. Eram feitos da união de cordões que podem ser coloridos ou não, e poderia ter enfeites, como por exemplo ossos e penas, onde cada nó que se dava em cada cordão significava uma mensagem distinta. Cada cordão poderia ter um ou mais nós, ou nenhum nó, ou um nó na ponta, um nó na base, enfim, tudo era comunicado e transportado rapidamente ao imperador Inca no centro do império, Cuzco.
Os cordões eram feitos de lã de lhama ou alpaca, ou de algodão. A posição do nó, bem como a sua quantidade, indicavam valores numéricos segundo um sistema decimal. As cores do cordão, por sua vez, indicavam o item que estava sendo contado, sendo que para cada atividade (agricultura, exército, engenharia etc.) existia uma simbologia própria de cores.
O transporte dos quipos era realizado por rápidos mensageiros, que corriam por dois quilômetros pelas trilhas incas levando o quipu contendo as informações a serem transmitidas, até o próximo posto de mensageiros, onde aguardava um mensageiro descansado pronto para continuar o transporte do quipu.