Design Against Humanity
O que todo designer deveria ter tatuado na bunda? Qual a primeira bobagem que você sempre fala em um brainstorming? O que vale mais que o salário de um designer?

Exercite sua criatividade perversa em um jogo de cartas simples, cruel e customizável, revelando experiências e opiniões bizarras sobre a profissão. 

São 100 perguntas, 500 respostas e algumas horas refilando esta merda: um inesgotável passatempo troll para designers desocupados e sem coração.

Baixe o jogo AQUI.
Design Against Humanity é uma expansão temática e não-oficial criada pelo designer Fabio Lopez do jogo Cards Against Humanity, distribuído gratuitamente sob uma licença do tipo Creative Commons BY-NC-SA 2.0.

Design Against Humanity não deve ser comercializado.
"Eu joguei sóbrio e não funciona."
João Victor, empreendedor hype.
Como criar o seu próprio Design Against Humanity

1. Baixe esse PDF e leve-o para sua gráfica de preferência. Faça uma vaquinha com seus amigos para diluir os custos de produção.

2. Imprima o jogo em papel de alta gramatura (120gr ou mais). Embora os cartões sejam em preto e branco, você obterá um resultado melhor se usar uma impressora colorida.

3. Para incrementar o acabamento do jogo, imprima uma chapada preta na parte traseira das cartas de pergunta, tornando-as mais fáceis de distinguir.

4. Refile as cartas no tamanho correto usando uma guilhotina, ou então faca de corte e régua. Quanto mais preciso você for, melhor será o manuseio do jogo.

5. Quando estiver tudo pronto, compre uma caixa rígida para guardar as cartas.
"É legal por ser de graça. De resto, foda-se."
Rafaela Nóbrega, aluna problema.
Regras Design Against Humanity

Regras Básicas

Para começar a partida, cada jogador recebe 10 cartas brancas com o conteúdo fora da vista dos outros jogadores. O jogador que tiver sido o último a largar o celular começa no papel de Dono da Agência, e abre uma carta preta sobre a mesa. O Dono lê as perguntas ou os ‘complete-a-frase’ das cartas pretas em voz alta.

Todos os demais jogadores respondem a pergunta ou completam a frase, indicando uma carta branca para o Dono da Agência com sua face para baixo. Este deve embaralhar e espalhar as cartas de resposta sobre a mesa, à vista do grupo.

O Dono deve reler a pergunta e escolher a melhor resposta, e o jogador que submeteu a carta branca escolhida marca 1 ponto, guardando a pergunta consigo.

Após a rodada, um novo jogador torna-se o Dono da Agência, e os demais recompõem suas mãos até completar 10 cartas brancas novamente. As cartas utilizadas retornam ao jogo quando acabar a pilha de cartas de resposta.

PEGUE 2

Algumas cartas pretas possuem PEGUE 2 escrito na parte inferior. Nessa rodada, cada jogador utilizará 2 cartas brancas combinadas. Entregue-as na ordem em que o Dono da Agência deve lê-las, pois isso fará diferença. Essa rodada vale 2 pontos.

Se o Dono da vez não possuir coordenação motora, use clips para ajuda-lo a segurar as cartas na ordem correta.

Apostando

Se uma carta preta estiver sobre a mesa e você achar que tem mais de uma boa resposta em mãos, aposte 1 de seus pontos para ter o direito de usar uma carta branca adicional.

Se vencer a rodada, você ganhará de volta o ponto que apostou. Mas se perder, quem ganhou a rodada levará também o seu ponto extra, otário.
Regras Especiais

Design Against Humanity foi feito para ser remixado. Aqui estão algumas formas divertidas de incrementar as regras:

Final Cabeça: Quando todos decidirem encerrar o jogo, use a carta preta ‘Poesia Concreta’ para um final épico. Essa é a cerimônia oficial de encerramento de uma boa partida de Design Against Humanity, e esta carta deve ser reservada para o fim. 
(Nota: Foda-se a disposição espacial do texto, importante é a poesia ser lida de forma pedante e afetada.)

Portfolio Novo: A qualquer momento, os jogadores podem trocar 1 ponto conquistado pelo direito de substituir até todas as cartas brancas que têm na mão. Isso pode ser bem útil quando você estiver com opções tão medíocres quanto seu portfolio.

Estagiário Útil: Para jogadas PEGUE 2, todos os jogadores recebem uma carta branca extra para melhorar suas opções.

Dimitri, o Turista: Toda rodada, entregue ao Dono da Agência uma resposta oriunda da pilha de cartas brancas. Essa carta pertence a um designer imaginário chamado Dimitri, 
o Turista. Dimitri nunca aparecia na faculdade e ainda assim foi aprovado por alguns professores. Dimitri não trabalhava mais na firma, mas ainda era culpado pelos projetos não serem aprovados. Se Dimitri vencer a partida, todos os jogadores voltam para suas casas em estado de vergonha eterna.

Projeto Pessoal: Jogue sem um Dono da Agência. A cada rodada, os jogadores escolhem sua respostas favoritas. A carta com mais votos vence a disputa.

Dinâmica de RH: Novamente sem o Dono. Após todos entregarem suas respostas,         os jogadores fazem rodadas de eliminação, descartando uma carta branca por vez.
A carta que sobrar é declarada a vencedora.

Sem Repertório: A qualquer momento, os jogadores podem substituir cartas que não entenderam, nomes que não conhecem e expressões profissionais obscuras. Mas, 
para isso, devem confessar sua ignorância ao grupo e sofrer a humilhação merecida.
"Excelente para ensinar os alunos a refilar."
Bianca Martins, cuidadora de designers.
importante: Não use nenhuma forma deste jogo para fins babacas, como calúnia, difamação, perseguição ideológica, violação de direitos humanos e autorais, assédio, discriminação ou morte. Se você violar a lei, perder o emprego, for expulso da faculdade e ficar na merda por causa disso, Design Against Humanity e seu autor estará livre de qualquer responsabilidade.

mimimi: Se você teve seu nome ou o de sua agência, marca ou produto mencionado neste jogo e não gostou da homenagem, entre em contato para que o autor possa removê-lo prontamente. Você será devolvido para sua insignificância antes de gastar qualquer merreca com um advogado. O autor não se responsabiliza, no entanto, se isso tiver ocorrido em alguma derivação do jogo.
"Mais divertido que o ENADE."
Ana Cardoso, nerd em formação. 
Colaboraram com sugestões e testes: 
Ana, Bia, Rafa, João, Rômulo, Ellen, Érica, Pedro, João e Amanda. Obrigado! :-)
"Baseado em fatos reais."
Fabio Lopez, designer de paródia.
Design Against Humanity
247
2205
12
Published:

Design Against Humanity

Um inesgotável passatempo cruel para designers desocupados e sem coração.
247
2205
12
Published:

Creative Fields