O que você vê?
15/02/18

As vezes é difícil mesmo enxergar o outro. Afinal, estamos imersos em nossos fones de ouvidos articulados para que o som exterior não atrapalhe o nosso gosto musical. Em dado momento eu olho pra quem tá em volta de cara fechada e fone de ouvido, e percebo que eu faço parte dessa tribo também. Vejo gente cansada daquela vida de ter que correr pra não perder o ônibus ou o metrô.

Vejo gente rindo como se não houvesse amanhã e nem ninguém, sabendo exatamente que está dentro de uma condução lotada ou numa sala fechada, mas mesmo assim não deixa aquela alegria escapar. Sabe-se lá quando verá ou ouvirá aquilo novamente.

Tem dias ou quase todos que vejo uma mãe tentando sobreviver no mês. O semblante é abatido e o olhar é distante, talvez sejam as características de uma amordaça invisível criada pela angústia que deve ser de ter um filho pedindo algo e não poder dar ao chegar em casa.

Eu vejo gente esbarrando no outro e olhe lá se algum pedido de desculpa sair, talvez saia, saia tão rápido que o difícil será ouvir. A rapidez da rua, da sua pessoa e da sua vida não lhe permite e não te dá a oportunidade de olhar nos olhos, no tipo ou no jeito do outro.

A pressa se faz presente no seu dia e nem sabemos se será possível um dia torná-la mais amena. Nos acomodamos a essa expressão: estou sem tempo.

Está sem tempo ou sem organização?
Faça LAR
15/02/18

Quer coisa mais difícil do que se fazer presente
Num lugar onde tu não é gente
E sabe-se lá quando será?

Menino, deixa eu te contar uma situação
Me mudei de uma capital pequena
Trouxe tudo que cabia na mala
E o restante encheu o coração

É dificil tu se achar
Numa cidade tão grande como essa
Aqui tudo é correria
O mundo tá sempre ocupado
E sempre com pressa

Mas moço, se tu se organizar direitinho
Me chama pro papo gostoso
Desde que o convite seja carinhoso
E nós possamos prosear

Afinal, um tempinho há de arranjar
Quer conexão mais gostosa
Ver quem a gente gosta
Do lado de cá?

Agora te faço um gentil pedido
Que eu espero tu aceitar
No próximo dia cumprido
Chame alguém e o faça sentir-se
LAR.
Doeu no bolso pra eu enxergar que não era amor
27/06/16

Há quase 2 meses as minhas noites e madrugadas se resumiam em:

1 - Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
2 - Art. 13. O resultado, de que depende a existência do crime, somente é imputável a quem lhe deu causa. Considera-se causa a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984).

Teve um pouquinho de informática também rs

Eu realmente estava empolgada, estudando bastante, usando as madrugadas para entender o tal direito. E foi bom, conheci mais das nossas leis, entendi um pouco da paixão de alguns amigos advogados, analistas, promotores e defensores.
Lara e qual era o motivo de você estudar direito? Meu querid@ nem te conto... Entrei nessa onda de concurso.

Mas oh, antes que os defensores do concurso venham me criticar, vamos aos fatos e sem julgamentos, ok?

1 - Sempre fui apaixonada pelas forças armadas, tinha o sonho  de entrar para o exército (Se eu não tivesse passado em nenhuma faculdade, com certeza era o próximo passo).
2 - Gosto tanto da carreira militar, que aqui no estado (TO) foi anunciado que o edital da PM sairá em agosto. Logo, é o mais próximo no momento para ingressar na carreira militar.
3 - A carreira militar oferece uma estabilidade boa, e estando lá dentro, eu poderia ser designada para a área da comunicação.

Que teoria linda, não é mesmo?

Juro, me esforcei muito (meus pais chegaram a chamar a minha atenção porque eu não estava mais presente). Trabalho todos os dias até as 19h, o curso começava as 19h30, me desloco de ônibus, então imagina correria. Chegava todo dia as 23h10 em casa, comia algo e já preparava a mesinha (que papai conseguiu só pra eu estudar) com notebook, livros e revisão das aulas.

Meus dias se resumiam em dormir apenas 3h30 por noite, eu sou muito focada no que quero, por isso a disciplina de estudar diariamente, fazer mapas mentais, pesquisar, ver vídeos aulas e outras coisas.

Não deu gente!

A bomba estava armada e eu nem tinha me tocado disso. Conversei com algumas pessoas, umas a favor do concurso e outras contra, levei tudo em consideração. Usei a última semana do dia 19 ao dia 25 para refletir se era aquilo mesmo que eu queria no momento.

No domingo dei a tacada final, tudo organizado para estudar direito penal no cursinho. Fui. Cheguei cedo, peguei lugar na frente (pra não passar frio e enxergar melhor), mas algo que incomodava ali, eu estava inquieta. Fui bombardeada de pensamentos a respeito da minha vontade pela independência domiciliar e financeira (sair de casa), morar em outro estado, a busca da 'liberdade' profissional e outras coisas. Eu estava sentada numa cadeira de cursinho me preparando para ficar sentada numa sala dentro de um quartel aqui na cidade.

Em respeito ao professor, eu realmente esperei ele dar 30 minutos de aula, eu poderia ter simplesmente saído, mas o respeito por essa classe começou cedo dentro da minha própria casa (mãe e irmão professores), ele finalizou um mapa mental no quadro, e sim, eu copiei (até o último segundo eu invisto). Levantei com meu contrato e o celular, fui à secretaria conversar com a dona, ela simplesmente disse que eu não ganhava nada se cancelasse o curso (tipo metade da grana), mas que eu podia vender ele para outra pessoa fazer (passar os créditos). Confesso que durante a semana eu fiquei bem chateada pelo investimento, porém quando fui pra cancelar, não me chateei por ter colocado quase mil reais, acho que a felicidade de uma decisão bem tomada compensava mais.

Sabe o que aprendi? O concurso pode ser maravilhoso pra quem já tem a vontade, pra quem gosta dessa coisa estabilizada e burocrática que ele fornece. Eu nunca gostei, eu sempre quis viajar, fazer coisas foras, pleitear cursos e afins, sempre buscando por algo melhor. E notei que eu realmente sou apaixonada pela área de comunicação, que eu não posso simplesmente achar que a carreira militar é um crush que me deu moralzinha e que agora eu tenho que trocar um amor de anos. Não mesmo!

A vida tem disso, tive que gastar grana pra entender que meu amor e a busca que faço quando invisto em publicidade, social media, marketing digital e suas subcategorias são por amor e por profissionalismo.

Se você acabou de ler isso e passou por algo parecido ou simplesmente discorda e se deu super bem em concurso público, vá em frente, nem desista e aproveita para me contar. Eu realmente ficarei feliz ao saber da sua vitória. A minha tá vindo.

Estou com projetos, estou caminhando...
Sobre lembrá-los da saudade
16/02/18
*Enviado por áudio para alguns amigos

Eu vim falar de amizade
Pra quem eu tenho tanta saudade
O suspiro é dobrado
O coração então.. aahh fica apertado

Tu me faz uma falta danada
Tem dia que eu quero me teletransportar
Me encontrar no teu abraço
E o teu colo ganhar

Oh saudade bandida
Tem dia que me pega de jeito
A bicha é atrevida
Me machuca e laça meu peito

Mas ainda bem que existe esse tanto de conexão
Se te encontro no facebook
Já te mando textão

Se o lance for rápido
E for melhor pra falar
Seja stories ou whatsapp
Algumas palavras irei trocar

Só quero te dizer
Que a saudade pode até existir
Mas que meu apreço por você
Esse vai se manter firme aqui.
Um significado torto
22/05/18

Eu nunca imaginei na vida
Um dia assumir tal posição
Mas me envolvi totalmente
E aí, entreguei o coração

O cargo que você precisa saber
Não dá pra tirar diploma
Tão pouco fazer EAD
É um cargo escolhido com certeza
E só vivendo que você descobre suas belezas

Tô falando de ser madrasta
Assumir uma estrutura já formada
Talvez soar como devasta
E mesmo assim continuar entusiasta

Contos de fadas ferraram a definição
Mostrando que toda madrasta era má
Mas quem ama tem disposição
Pra fazer significado torto ficar por lá

Mas sabe, ser madrasta é um caminho sem volta
Se você dá afeto e educação
Todo o amor que você recebe em troca
Não precisa de sangue pra fazer tal união.
Amigos que se vão
11/07/18

Chorei jogando um jogo que era exatamente a nossa cara: dissimulado, divertido, zoeiro e malandro. Chorei porque você se foi, se perdeu nas memorias, nos contatos e da minha vida.

Lembro que contei a terapeuta sobre o choro de saudade que ficou engasgado e que eu só me dei conta quando ao olhar pra frente eu falei: "joga carai, vamo perder!" Naquele instante eu queria mais uma vez me divertir assim com você.

Hoje, eu entendo que os nossos caminhos precisavam tomar rumos distintos, que tudo isso tivesse um fim. Um fim que tem recomeço pra mim e pra você, mas cada um vivendo do seu modo. As lembranças sempre existiram, principalmente quando o facebook me faz lembrar e chorar às 10h10 da manhã com uma foto nossa.

Talvez eu não tenha sido a melhor amiga e nem você, mas guardo as sensações dos momentos que partilhamos. Onde estiver, fique bem.