Dicionários Compartilhados de Língua de Fronteira
 
Este é um projeto diferenciado, criado a partir de pesquisas aprofundadas e trabalhos de campo do Laboratório Corpus e PET Letras da Universidade Federal de Santa Maria: trata-se de um dicionário formulado com vocábulos utilizados em cidades de fronteira internacional do Rio Grande do Sul, sugeridos por alunos de escolas. Nesse caso, a cidade escolhida foi Itaqui, e as escolas, Vicente Solés e Otávio Silveira. Com base nesse projeto, surgiram dois livros "irmãos", lançados ao mesmo tempo, que se complementam, de certa forma.
Desde o começo o conceito de "fronteira" deveria estar explícito, ainda que já estivesse no título. Assim sendo, a principal ideia para representá-la foi uma linha, que foi repetida dentro e fora dos livros. Escolhemos quatro cores para simbolizar a relação entre os países e, também, o estado do Rio Grande do Sul. Por essa razão, é evidente a escolha do azul e amarelo (Argentina), verde, vermelho e amarelo (Rio Grande do Sul) e, consequentemente, verde e amarelo (Brasil.
As duas capas são similares para compreender a ideia de se tratar de uma coleção (considerando-se, também, a intenção de outras obras do mesmo teor serem lançadas futuramente). As combinações de cores entre elas são simples e contrastantes, combinando com branco para dar destaque ao título e alguns detalhes. Tentou-se utilizar o verde para produzir a foto de fundo da edição Vicente Solés, mas o vermelho acabou encaixando melhor na proposta e se mostrando mais chamativo. Alguns elementos gráficos providenciam um aspecto mais jovial e divertido, além de um pequeno mapa abstrato mostrar o Rio Uruguai (que separa os dois países) e a posição da escola nas ruas da cidade de Itaqui.
As lombadas dos dois voumes são idênticas, exceto pelas cores. Na contracapa, solicitou-se inserir os logotipos dos apoiadores e realizadores do projeto, o que se fez. A princípio, tentamos inseri-los no mesmo elemento gráfico da faixa que trespassa a frente da capa, dando suporte ao título, mas o resultado não ficou como esperado - devido à desorganização dos logos por conta da linha ascendente. Assim sendo, optamos por uma forma mais tradicional, e os logotipos possuem grande destaque.
Criamos elementos gráficos para utilizar na capa e, também, para o miolo do livro, que deveria ser ágil e dinâmico. Para compô-lo, utilizamos as faixas representando a fronteira para conter os vocábulos, e os elementos gráficos para complementar o visual, principalmente junto de fotos ou em páginas com poucos vocábulos. 
O texto que acompanha cada vocábulo foi girado de leve para acompanhá-lo, de maneira que todo o livro segue um grid bastante aleatório. Cada palavra possui uma rotação diferente, e buscou-se sempre o dinamismo. Seguindo a organização tradicional de um dicionário, as palavras e expressões são apresentadas em ordem alfabética e, a cada letra diferente, a cor dos destaques muda orientada por uma ordem pré-estabelecida. Decidimos utilizar o cabeçalho apenas nas páginas ímpares, de maneira que os números de página ficam juntos, separados por uma linha.
Os dois dicionários também contam com índices remissivos, com a lista completa de todos os vocábulos e em que página eles se encontram. Tratando-se de dois livros com uma temática e estilo tão diferenciados, é interessante acompanhar a criatividade dos alunos das escolas nas definições das palavras e, também, nelas próprias. Algumas delas são muito inspiradas, outras são engraçadas, outras ainda confusas para quem não conhece esse tipo de palavreado. De qualquer forma, os Dicionários Compartilhados de Língua de Fronteira foram um projeto muito interessante e, também, divertido de ser feito.
Dicionários Compartilhados de Língua de Fronteira
5
112
1
Published:

Dicionários Compartilhados de Língua de Fronteira

Capa e diagramação de dois Dicionários Compartilhados de Língua de Fronteira para o Laboratório Corpus do curso de Letras da Universidade Federal Read More
5
112
1
Published:

Tools

Creative Fields