Pedras de Água | Water Stones
"Pedras de Água"
Vila Viçosa
 
PT
‘Ser de água’ foi o tema proposto para 2013, na Semana Cultural da Universidade de Coimbra. Indo ao encontro deste tema, e todas as suas potencialidades, como fotógrafo, procurei explorar esta forma através da arte de escrever com luz.
Possivelmente não existirá forma de vida para a qual a água não seja essencial. Boa parte da evolução humana foi conduzida e guiada pelos canais de acesso à água, esse elemento que tudo é capaz de se transformar. Eu nasci e cresci numa das zonas mais áridas do país, no Alentejo. Mais propriamente na zona designada como do “Ouro Branco”, que engloba pelo menos os concelhos de Vila Viçosa, Borba e Estremoz. É assim denominada devido à principal atividade económica: a exploração, extração e transformação de mármore. Um ciclo em que a água é fundamental em todas as fases e um elemento que não só transforma como se transforma.

É graças à água que se consegue amolecer a pedra, que é extraída das pedreiras, autênticas crateras a céu aberto, e cortada em blocos paralelepípedos de várias toneladas ou em chapas finas através de monolaminas afiadas. E é a mesma água, finda a vida e a atividade de uma das inúmeras crateras profundas que existem - deixadas muitas ao abandono – que se ocupa de preencher o vazio deixado pela pedra. Dando lugar a lagos, uns mais vertiginosos que outros, uns mais poluídos que outros, onde antes estavam precipícios. Inclusive quando ainda a atividade humana ainda não sessou já a água reclama o seu lugar, preenchendo os fundos vertiginosos que podem atingir cerca de 180m, aproximadamente 60 andares.
É também pelas marcas que deixa nas maquinarias e nos materiais que podemos ver ação do tempo e do abandono através da água, totalmente cobertos de ferrugem avermelhada e plantas selvagens que os envolvem. Estas são as pedras de água que captei com o sensor da minha máquina, autênticas minas de tesouro transparente pronto a ser reaproveitado, como em alguns casos já acontece, e impacientes por recomeçar um novo ciclo. Locais apocalípticos, variando entre gruas gigantescas, montanhas de natas – nome que se dá à massa de pó de pedra com água resultante dos cortes produzidos nos blocos -, aterros de pedra inútil, crateras gigantes e lagos idílicos. Pedreiras de água, que se transformaram por inércia humana, num local onde tantos anos escasseia o acesso a esse bem precioso.
 
© João M. Pereirinha 2013 | Vila Viçosa

Publicação do projeto fotográfico em #10 Série VI, Águas 1000 - Revista Via Latina, pp. 42-53
Colóquio “Pedras de Água”
 
Uma reflexão aberta e pluridisciplinar sobre  o estado, as perspetivas, a importância e a sustentabilidade da Indústria do Mármore, nas suas mais variadas vertentes, assim como agir perante recursos naturais. Composto pelos oradores: Ana Cardoso de Matos, Armando Quintas, Carlos Gomes, João M. Pereirinha, Sara Moreno Pires, Tiago Passão Salgueiro.
 
 
14 de Março, 2015, Escola Secundária Públia Hortênsia de Castro, Vila Viçoa.
Pedras de Água | Water Stones
3
304
0
Published:

Pedras de Água | Water Stones

Pedras de Água* ‘Ser de água’ é o tema proposto para 2013, na Semana Cultural da Universidade de Coimbra. Indo ao encontro deste tema, e todas a Read more
3
304
0
Published:

Tools

Adobe Lightroom

Creative Fields

Copyright Info

Attribution, Non-commercial, No Derivatives

Read More