Add to Collection
About

About

ALL OF MY WORKS ARE SUBJECT TO COPYRIGHT LAWS. DO NOT USE WITHOUT WRITTEN CONSENT CONTACT: joseferreiraphoto@gmail.com Photography: José Ferre… Read More
ALL OF MY WORKS ARE SUBJECT TO COPYRIGHT LAWS. DO NOT USE WITHOUT WRITTEN CONSENT CONTACT: joseferreiraphoto@gmail.com Photography: José Ferreira Text: Nuno Silva Translation: Mariana Luz(mariana.mluz@gmail.com) Filmmaker: Victor Hugo Against Time I didn’t choose to be born. It wasn’t my choice. I breathe because I have to, and I decide to live every day. Being alive is not the same thing as living, when being born was the first death of them all. Where the black clouds kiss, I’ve found Rio Mau, a small town in Penafiel, lost between valleys, slopes and a big river. I don’t know if the name tells the story, but I didn’t even try to know. There I’ve found a breath of fresh air - an association – Association for Development from Rio Mau. People from the town; needed people. The association is focused on those who already gave everything that they could. Every morning they take care of the hygiene and medical care. After, according to their hearts, they return to distribute several meals. To every damned soul; Each house a story, each story a need. The voices, if they could speak, they’d ask to be silent forever. The corners hide secrets. The colors are dark, darker than from an old painting. Under crosses and altars the emaciated bodies are covered. The sheets have a few to cover; they cover the scars and memories from people that no longer exist. Every day like a ritual, the volunteers continue their work. They feed, they clean, they medicate. Mostly, they treat bodies from which souls are long gone. They paint death with some vain colors of life. Are we still a person when we depend on other people? Which conduct makes me human if I don’t feel a saviour? Despite all that, the strength that moves them is tremendous. Repeated gestures, a surgical synchrony and a stifling humility. Mixed feelings. I feel that I’m surrounded by fallen angels from heaven. Angels disguised as wonderful human beings; with an apron or a smock, the Rio Mau’s angels. I feel small. I wonder if even feeling something makes any sense. This lethargy that consumes me, doesn’t say nothing about me. Tells me that the compassion that I obligate myself to feel ends even before it comes. The truth is ungrateful. What I see is frightful. The skin no longer exists. A shell, a dried shell, makes each body a cocoon. There is nothing, or anyone that would choose these words to end their stories. Tragedy, is to me, each day that some have the right to live. The irony. The darker side of humanity. I feel dirty, surronded by all this images, they make me feel away from the human being that I am. I can’t feel anything else. Each room looks like a tombstone and each visit has the smell of a funeral. I try to analyze the looks, to understand the meaning of each visit. If the bodies could speak they’d ask me to help them to maintain their dignities. To help them to rewrite each epilogue. Certainties, just one. That in the day that my eyes couldn’t see anymore, my hands couldn’t touch anymore, my feet couldn’t walk anymore and that my body doesn’t suit me anymore, that I’d be allowed to lay on the person that I was before; and that the sleep take me away forever. Because, in the end, what life is to live and what death is to die? Contra(o)Tempo Não foi nascer que escolhi. Não foi ser que quis ser. Respiro porque devo e decido-me viver todos os dias. Estar vivo não é viver, se nascer for a primeira de todas as mortes. Onde as nuvens negras se beijam descobri Rio Mau, concelho de Penafiel. Perdida, entre vales, encostas e um rio imenso. Não sei se o nome lhe conta a historia, mas também não o procurei conhecer. Onde as nuvens se beijam encontrei um céu aberto na forma de associação. Uma lufada de oxigénio do mais puro e revigorador- a Associação para o Desenvolvimento de Rio Mau. Gente da terra. Gente dos céus. Gente que falta. O trabalho da associação debruça-se sobre aqueles que deram tudo e já não o podem. Todas as manhãs tratam dos cuidados de higiene e cuidados médicos. Depois, conforme o coração os obriga, regressam para distribuir um sem número de refeições por cada beneficiado. Por cada condenado. Cada casa uma história, cada história uma necessidade. As vozes essas, se falassem, pediriam para serem caladas. Os cantos escondem segredos. As cores que o escuro tem, são o mais pálido colorido de uma pintura gasta e sem história. Sob cruzes e altares cobrem-se corpos definhados e definhando. Os lençóis que pouco têm para cobrir, tapam cicatrizes ingratas e memórias de gente que foi e já não é. Todos os dias, num ritual de fé, a equipa cumpre religiosamente e de forma voluntária, o serviço de uma ambiguidade tão benevolente quanto imoral. Alimentam, medicam e limpam. No fundo tratam o corpo desprovido de espirito. Maquilham a morte com tons esbatidos de vida. Que gente ainda é gente quando dependente de outras gentes? Que conduta me humaniza se não me sinto salvador? Apesar disso a força que os move é tremenda. Gestos repetidos, uma sincronia cirúrgica, uma humildade sufocante. Uma guilhotina de sentidos. Sinto-me rodeado de anjos caídos. Anjos caídos disfarçados de seres humanos fenomenais. De avental ou bata, os anjos de Rio Mau. Sinto-me pouco. Pergunto-me se sentir fará sequer qualquer sentido. Esta letargia que me consome não diz tudo o que há de mim. Diz-me apenas que a compaixão a que me obrigo sentir termina mesmo antes de chegar. A verdade é ingrata. O que vejo é medonho. A pele, deixou de o ser. Uma casca, ressequida, toma cada corpo como um casulo. Não há nada nem ninguém que escolha estas palavras para o fim da sua história. Tragédia, a sê-lo, é para mim cada dia a que alguns têm direito. O pináculo da ironia. O lado mais negro do humanismo. Sinto-me sujo. imaginar-me rodeado destas formas de pensar afastam-me do ser humano que sempre me achei ser dono. Mas mais nada me sinto capaz de sentir. Cada quarto tem tom de jazigo e cada visita tem cheiro a cerimónia fúnebre. Tento ler cada olhar, tento ver para lá da vista. Se os corpos falassem pedir-me-iam que os ajudasse. Que os ajudasse a manter a dignidade. Que os ajudasse a re-escrever cada epílogo. Certezas, só uma. Que o dia que os meus olhos não vejam, que as minhas mãos não toquem, que os meus pés não andem e o meu corpo não me orgulhe, deixem-me que me deite uma última vez sob a pessoa que fui. E que o sono que me tome, não me volte a acordar. Porque no fundo, que vida é viver e que morte é morrer? Read Less
Published:
ALL OF MY WORKS ARE SUBJECT TO COPYRIGHT LAWS. 
DO NOT USE WITHOUT WRITTEN CONSENT CONTACT:

joseferreiraphoto@gmail.com
 
 
Photography: José Ferreira(www.joseferreira-photographer.com)
Text: Nuno Silva
Translation: Mariana Luz(mariana.mluz@gmail.com)
Filmmaker: Victor Hugo
 
 
                                 Against Time
 
Where the black clouds kiss, I’ve found Rio Mau, a small town in Penafiel, lost between valleys, slopes and a big river. I don’t know if the name tells the story, but I didn’t even try to know. There I’ve found a breath of fresh air - an association – Association for Development from Rio Mau. People from the town; needed people. The association is focused on those who already gave everything that they could.
Every morning they take care of the hygiene and medical care. After, according to their hearts, they return to distribute several meals. To every damned soul; Each house a story, each story a need. The voices, if they could speak, they’d ask to be silent forever.
The corners hide secrets. The colors are dark, darker than from an old painting. Under crosses and altars the emaciated bodies are covered. The sheets have a few to cover; they cover the scars and memories from people that no longer exist.
Despite all that, the strength that moves them is tremendous. Repeated gestures, a surgical synchrony and a stifling humility. Mixed feelings. I feel that I’m surrounded by fallen angels from heaven. Angels disguised as wonderful human beings; with an apron or a smock, the Rio Mau’s angels.
I feel small. I wonder if even feeling something makes any sense. This lethargy that consumes me, doesn’t say nothing about me. Tells me that the compassion that I obligate myself to feel ends even before it comes.
The truth is ungrateful. What I see is frightful. The skin no longer exists. A shell, a dried shell, makes each body a cocoon. There is nothing, or anyone that would choose these words to end their stories. Tragedy, is to me, each day that some have the right to live. The irony. The darker side of humanity. I feel dirty, surronded by all this images, they make me feel away from the human being that I am. I can’t feel anything else.
Each room looks like a tombstone and each visit has the smell of a funeral. I try to analyze the looks, to understand the meaning of each visit. If the bodies could speak they’d ask me to help them to maintain their dignities. To help them to rewrite each epilogue.
Certainties, just one. That in the day that my eyes couldn’t see anymore, my hands couldn’t touch anymore, my feet couldn’t walk anymore and that my body doesn’t suit me anymore, that I’d be allowed to lay on the person that I was before; and that the sleep take me away forever. Because, in the end, what life is to live and what death is to die? 
 
 
 
                          Contra(o)Tempo
 
Não foi nascer que escolhi. Não foi ser que quis ser. Respiro porque devo e decido-me viver todos os dias. Estar vivo não é viver, se nascer for a primeira de todas as mortes.
Onde as nuvens negras se beijam descobri Rio Mau, concelho de Penafiel. Perdida, entre  vales, encostas e um rio imenso. Não sei se o nome lhe conta a historia, mas também não o procurei conhecer. Onde as nuvens se beijam encontrei um céu aberto na forma de associação. Uma lufada de oxigénio do mais puro e revigorador- a Associação para o      Desenvolvimento de Rio Mau. Gente da terra. Gente dos céus. Gente que falta. O trabalho da associação debruça-se sobre aqueles que deram tudo e já não o podem. Todas as manhãs tratam dos cuidados de higiene e cuidados médicos. Depois, conforme o coração os obriga,  regressam para distribuir um sem número de refeições por cada beneficiado. Por cada condenado. Cada casa uma história, cada história uma necessidade. As vozes essas, se falassem, pediriam para serem caladas.
Os cantos escondem segredos. As cores que o escuro tem, são o mais pálido colorido de uma pintura gasta e sem história.  Sob cruzes e altares cobrem-se corpos definhados e definhando. Os lençóis que pouco têm para cobrir, tapam cicatrizes ingratas e memórias de gente que foi e já não é.
Todos os dias, num ritual de fé, a equipa cumpre religiosamente e de forma voluntária, o serviço de uma ambiguidade tão benevolente quanto imoral. Alimentam, medicam e limpam.      No fundo tratam o corpo desprovido de espirito. Maquilham a morte com tons esbatidos de vida.  Que gente ainda é gente quando dependente de outras gentes? Que conduta me humaniza se não me sinto salvador?
Apesar disso a força que os move é tremenda. Gestos repetidos, uma sincronia cirúrgica, uma humildade sufocante. Uma guilhotina de sentidos. Sinto-me rodeado de anjos caídos. Anjos caídos disfarçados de seres humanos fenomenais. De avental ou bata, os anjos de Rio Mau.
Sinto-me pouco. Pergunto-me se sentir fará sequer qualquer sentido. Esta letargia que me consome não diz tudo o que há de mim. Diz-me apenas que a compaixão a que me obrigo sentir termina mesmo antes de chegar.
A verdade é ingrata. O que vejo é medonho. A pele, deixou de o ser. Uma casca, ressequida, toma cada corpo como um casulo. Não há nada nem ninguém que escolha estas palavras para o fim da sua história. Tragédia, a sê-lo, é para mim cada dia a que alguns têm direito. O pináculo da ironia. O lado mais negro do humanismo.  Sinto-me sujo. imaginar-me rodeado destas formas de pensar afastam-me do ser humano que sempre me achei ser dono. Mas mais nada me sinto capaz de sentir.
Cada quarto tem tom de jazigo e cada visita tem cheiro a cerimónia fúnebre. Tento ler cada olhar, tento ver para lá da vista. Se os corpos falassem pedir-me-iam que os ajudasse. Que os ajudasse a manter a dignidade. Que os ajudasse a re-escrever cada epílogo.
Certezas, só uma. Que o dia que os meus olhos não vejam, que as minhas mãos não toquem, que os meus pés não andem e o meu corpo não me orgulhe, deixem-me que me deite uma última vez sob a pessoa que fui. E que o sono que me tome, não me volte a acordar. Porque no fundo, que vida é viver e que morte é morrer?